Warning: include_once(/home/marcelos/public_html/wp/wp-content/plugins/sendtoafriend/sendtoafriend.php): failed to open stream: Permission denied in /home/marcelos/public_html/wp/wp-settings.php on line 255

Warning: include_once(): Failed opening '/home/marcelos/public_html/wp/wp-content/plugins/sendtoafriend/sendtoafriend.php' for inclusion (include_path='.:/usr/lib/php:/usr/local/lib/php') in /home/marcelos/public_html/wp/wp-settings.php on line 255
A saudável profanação do espaço público por Marcelo Gruman via CM

Natal, 21 de Agosto de 2018 | Cultura , Economia , Política , Finanças, Gestão, Pessoas , Negociação Coletiva e sustentabilidade.

Marcelo de Souza

NOTÍCIAS NO EMAIL


01 abr 2015

A saudável profanação do espaço público por Marcelo Gruman via CM


A saudável profanação do espaço público

Numa sociedade democrática, o direito de expressar-se não começa nem termina, simplesmente existe como fato. A rua deve ser profana, não sagrada.


Marcelo Gruman

eduardo green short / Flickr

A Praça São Salvador, no bairro carioca de Laranjeiras (há quem diga que o CEP é do bairro do Flamengo) é, há alguns anos, ponto de encontro das mais diferentes tribos da cidade. Depois de anos abandonada, reduto de assaltantes e crianças de rua viciadas em cola e outras drogas, mal iluminada, largada à própria sorte, vive momentos de glória. De segunda a segunda, o movimento é constante. Artistas de rua, circenses, mães com seus filhos de colo, senhoras acompanhadas de cuidadoras, skatistas, crianças jogando bola ou simplesmente correndo em volta do histórico chafariz mais do que centenário fincado no centro do terreno, grupos de amigos tomando cerveja, tocando violão, pregadores religiosos, todos dividem democraticamente o espaço. A revitalização começou em 2007, quando um grupo de amigos passou a tocar clássicos do chorinho, gênero de musica popular e instrumental, nascida no Rio de Janeiro em meados do século XIX, aboletados no coreto existente na ponta oposta ao parquinho de areia destinado às crianças. A sessão de chorinho acontece todos os domingos, acompanhada de uma feirinha de artesanato; aos sábados, é a vez do samba de roda. A Praça foi reurbanizada, bares foram reformados e abertos nos arredores, um pequeno supermercado também abriu suas portas por ali, os imóveis dos prédios do entorno experimentaram uma valorização expressiva. Ela é, por que não, a representação carioca da ágora ateniense, local de manifestação da opinião pública, da expressão da cidadania, da vida democrática, do embate entre diferentes e mesmo oponentes.

Eis que num final de tarde de um sábado recente estávamos eu, minha esposa e nosso filho de cinco anos na Praça São Salvador, acompanhados de uma amiga dele da escola e sua mãe. De repente, uma gritaria chama-nos a atenção e, quando olhamos para trás, um grupo de ciclistas nus e seminus, com os corpos pintados, com inscrições que não conseguimos ler, chegava à Praça pela Rua São Salvador, escoltados por um carro da polícia, fazendo barulho com apitos e gritando alguma coisa que não conseguimos compreender. No dia seguinte, pelos jornais, soubemos do que se tratava. Era a versão local da World Naked Bike Ride, traduzida por aqui como Pedalada Pelada. O objetivo da manifestação é chamar a atenção para a situação de fragilidade e quase invisibilidade do ciclista, tanto por parte dos motoristas como pelo poder público. Segundo o blog Vá de bike, a nudez “representa a fragilidade do ciclista em meio à agressividade do trânsito. Também é uma forma de chamar atenção para a invisibilidade dos ciclistas nas ruas, que só passam a ser notados por muitos motoristas, por parte da imprensa e especialmente pelo poder público ao pedalar sem roupa”. Entretanto, a nudez não era pré-condição para participação, uma vez que o princípio da WNBR é “o quão nu você ousar”. Em resumo, a manifestação era pelo pleno exercício da cidadania.


Eu ri, achei graça, quando um dos ciclistas, nu, desceu de sua bicicleta e correu para beijar uma moça que dava uma oficina de bambolê. Aparentemente, eram namorados ou coisa que o valha. No fundo, acho que fiquei um pouco invejoso daquele rapaz, seguro de seu corpo, despido (literalmente) da repressão moral judaico-cristã tão presente em nossa sociedade, ainda. Isto apesar de não sentir-me envergonhado de expor meu corpo quando tomo banho com meu filho ou troco de roupa na sua frente ou, diferente de como fazem os ortodoxos judeus, faça sexo com minha mulher com a luz acesa sem um pano que cubra o seu corpo, exceto um pequeno buraco na região da genitália sem o qual, pressupõe-se, o divertimento (ou dever de ofício, para o religioso) dificilmente ocorrerá. Para meu filho, inclusive, a manifestação foi mais um episódio pitoresco que qualquer outra coisa, afinal de contas, não é todo dia que se vê um bando de gente andando de bicicleta com “pintos” e seios de fora. Ele próprio estava apropriadamente vestido enquanto fazia suas manobras radicais na sua bicicleta do Hot Wheels. A mãe de sua colega, por sua vez, utilizando-se de argumentos legais, do tipo “atentado ao pudor” e “o direito do outro termina quando o meu começa”, questionou o a manifestação dos peladões, apenas para chocar, segundo ela.

Eis o ponto central da discussão, o direito de expressão a todo e qualquer cidadão e grupo componente da sociedade. Numa sociedade democrática multicultural, o direito de expressar-se não começa nem termina, simplesmente existe como fato e deve ser protegido pelo poder público, como aconteceu na manifestação dos ciclistas nus. A polícia, em vez de reprimir, protegeu o direito da livre expressão daquele grupo de cidadãos, por mais que a vista não fosse das mais agradáveis para paladares mais ortodoxos. Por mais que me doa os ouvidos, defendo o direito do indivíduo que prega o Evangelho no coreto da Praça para quem queira ouvir o que, para regozijo meu, pela observação da reação de quem passa por ali, é batalha perdida. Defendo o direito deste indivíduo de discordar da minha opinião, o que não significa, obviamente, que eu deva me privar de criticá-lo, como a mãe da amiga de meu filho fez, sob os argumentos que forem, ridicularizando ou não aquele dos quais discordamos.

O multiculturalismo não significa aceitação acrítica, blasé, daquilo que nos desagrada, mas a compreensão de que a diversidade cultural é inerentemente conflitiva. A convivência pacífica e harmônica é uma utopia e, como utopia, inatingível. E isto não é um problema. Manifestações a favor da Dilma, sim. Manifestações contra a Dilma, sim. “Hay gobierno, soy contra”, sim também. Por que golpismo? Por que peleguismo? Desqualificar não, ridicularizar sim. Viva o ridículo, preferível à censura. A rua deve ser profana, não sagrada.

Talvez a discussão deva se concentrar na definição de limites para a bagunça, necessidade de organizá-la de alguma forma. Na cidade do Rio de Janeiro, há, ao menos no papel, uma Secretaria Municipal de Ordem Pública, responsável pela organização do espaço público em favor do cidadão, garantindo-lhe o direito de ir e vir. Na prática, a teoria é outra. No Carnaval, expressão pública por natureza, a Praça São Salvador sofre com a sujeira e a depredação do patrimônio público tombado, mijões por todos os lados; durante o ano, nos finais de semana, que começa a partir de quinta-feira, o barulho inferniza a vida dos moradores dos prédios vizinhos que têm desrespeitado o direito de dormir em paz, a Lei do Silêncio existe por algum motivo. Um casal de conhecidos, moradores do segundo andar de um prédio de frente para a Praça, acaba de vender o apartamento porque perdeu a guerra contra a insônia. Vê-se que o problema não é a justa reivindicação dos amigos que querem desafogar as pressões do trabalho com um copo de cerveja estupidamente gelada ou dos artistas que brincam com seus malabares, mas a impossibilidade de convivência pela total incompetência do poder público de regulamentar esta convivência, se não harmônica, tácita.

A sacralização do espaço público é o sonho dos intolerantes, apenas a eles interessa um ambiente asséptico. Cabe ao Estado proteger este direito fundamental do cidadão, conforme a Constituição Federal, o de manifestação e de associação, gostemos ou não do que vemos ou ouvimos. Não é fácil, admito, e meu ethos antropológico tem limites, mas, caso contrário, o feitiço, eventualmente, virará contra o feiticeiro e o golpe de 1964 parecerá um passeio no parque.



Fatal error: Call to undefined function staf_html() in /home/marcelos/public_html/wp/wp-content/themes/wordmultpress/single.php on line 34